14 de jun de 2009

Educação e Coletivo ComJunto mostra audiovisual paraibano

Evento na UFPB exibe, no perído de 16 de 18 de junho, acervo de
filmes produzidos entre o litoral e o sertão

Razão ou Emoção? Lucidez ou Loucura?. Estas questões são tema da II Mostra Interestadual do Audiovisual Paraibano, marcada para o período de 16 a 18 de junho, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Campus de João Pessoa. A mostra se propõe apresentar o acervo das produções cinematográficas da Paraíba, do litoral ao alto sertão.

Trata-se de uma ação do Projeto Cinestésico, do Centro de Educação (CE) da UFPB, coordenado pelas professoras Virgínia Oliveira e Marília Campos, com apoio do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), Departamento de Comunicação e Turismo (Decomtur), Cineclube Jomard Muniz de Brito e o Coletivo de estudantes de comunicação (ComJunto).

As atividades da mostra acontecem no auditório 411 do CCHLA, na sala Aruanda do Decomtur e auditório Azul do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA).

Na programação, destacam-se a exibição de filmes e vídeos de produtores e realizadores paraibanos e mesas-redondas, objetivando dialogar sobre as dificuldades e as gratificações de se fazer cinema em terras paraibanas.

Além das mostras propriamente ditas, realizadas por meio das exibições diárias dos filmes nos turnos da manhã e da noite, o evento também inclui palestra e minicursos na área de audiovisual e cinema com professores da UFPB que realizam estudos e pesquisas nesse campo.

Mais informações pelo correio eletrônico: projetocinestésico@gmail.com

Fonte: Agência de Notícias da UFPB - Clovis Bezerra (texto retirado na íntegra)

4 de jun de 2009

Release

O Brasil por muito foi dominado por filmes norte-americanos.

De onde eu tirei isso? Basta simplesmente olhar para nós mesmos para constatar: nosso costume, nossas idéias, a vontade incessante de sermos "herói", o jeans que usamos, o inglês que adaptamos ao nosso dia-dia, tudo isso e muitas outras coisas são frutos da ideologia que os gringos passaram o tempo todo nos seus filmes.

O modo de fazer cinema nos Estados Unidos sugere que eles sejam os melhores nisso. E conseguem! "And the Oscar goes to... another AMERICAN PRODUCER".

Além dos costumes herdados a partir dos filmes de bang-bang, durante muitíssimo tempo o Rádio circulou os bares e lares brasileiros, sendo copiado na íntegra para a televisão, quando do seu surgimento no nosso país: As rádio-novelas transformaram-se em telenovelas, no início meio desastroso, mas se adaptou muito rapidamente.

Não necessariamente faço, com este texto, uma crítica ao cinema dos Estados Unidos ou ao rádio e à televisão do Brasil. Iniciei com esse pensamento apenas para frisar o convite que irei fazer posteriormente. Aliás, posteriormente não, agora.

Uma das moléculas do ar que respiramos chama-se COMUNICAÇÃO. É ela quem nos informa, nos transforma e nos entretêm a todo instante. Sem comunicar o homem não vive, assim como não vive sem água e sem comida, por que, já nos escritos bíblicos a comunicação não falhou em nos advertir que nem só de pão vive o homem.

Mande-me algum texto que queira publicar. Leia os artigos que estão postados ai, do lado direito. Veja os filmes, acesse os links indicados. COMUNIQUE-SE!